Capítulo 14 - Boyfriend or not?

Conto de Hunter Welch como (Seguir)

Parte da série Black Velvet

Derek bateu timidamente na porta do maior quarto da casa.

-Cody, tô trabalhando, não posso levantar! Entra logo. – disse o pai.

-Não é o Cody! – Derek enfiou o rosto dentro do quarto, incapaz de lembrar se tinha estado ali alguma vez. O pai estava sentado na cama, lendo alguma coisa no tablet. – Você tá muito ocupado?

-Não, entra ai! – sua expressão se amenizou.

Derek entrou e sentou do lado do pai na cama.

-Livro novo?

-Sim – respondeu Carter, que era dono de uma editora de livros em Saint Lucy. – tenho que liberar pra publicação até o Ano-Novo. Quer ler?

-Tem putaria?

-Não

-Tem gente morrendo?

-Não.

-Então não gasta meu tempo com coisa à toa, Carter. Preciso falar uma coisa séria com você!

Carter deu um tapinha na coxa musculosa.

-Quer sentar no colinho do papai? – o mais velho riu ao ver a cara de raiva que o filho fez. – Anda, desembucha. Já sei até o que você quer falar!

Derek franziu a testa.

-Tá vendo o futuro agora? Ótimo, então me diz porque você não deixou o Jason ficar comigo ontem sendo que você sempre deixa as namoradas do Cody passarem a noite fazendo você-sabe-o-que? Porque se for pelo que eu tô pensando…

Carter nem se deu ao trabalho de deixar Derek terminar sua frase.

-Você disse há menos de um mês que odiava o Jason, e em seguida tava agarrando ele! Eu queria que você pensasse bem, decidisse em que lado da balança ele tava. – disse, com incrível calma e ponderação, fazendo Derek entender o seu lado. – Sem contar que em hora nenhuma eu ouvi ele falando que os dois estão namorando!

Derek tinha que admitir que o pai tinha ótimos argumentos.

-Quer dormir com o namorado? Ótimo, confio em você e você sabe! Só que antes – Carter se inclinou na mesa de cabeceira, jogando um pacote metalizado no colo de Derek. – eu preciso te explicar o que é isso?

-PORRA, PAI, QUE MERDA É ESSA? – gritou, segurando os preservativos que o pai tinha lhe entregado.

-DEREK, SE TU NÃO SABE O QUE É ISSO EU VOU TE DAR UNS TAPAS! – respondeu. – Hm, você precisa que te ensine como que usa?

-Eu tenho acesso à internet e livros de biologia! – Derek ficou envergonhado, seu rosto se aproximando do tom de uma beterraba. – E por que você acha que a gente já tá transando por aí? Eu só queria que ele dormisse comigo, literalmente.

-Eu perdi a virgindade com sua idade! – respondeu com simplicidade.

-Vamos mudar de assunto agora, tá? – pediu, retorcendo o rosto – E a propósito nem eu ouvi ele falando. Que a gente tava namorando! – Derek soltou os preservativos na cama, como se eles fossem usados. – Eu quero namorar com ele, obviamente. Na verdade eu quero fazer muitas coisas com ele. Só que ele não falou nada! Será que eu devo perguntar? E se ele não quiser? A gente continua se pegando ou nunca mais se vê?

-Essa é a vida real, não um filme em que se a pessoa não aceita em casamento eles acabam terminando. – Os Tyer viam MUITOS filmes! – Nada impede que você vire e fale “ei Jason, a gente tá se pegando, a gente se ama. Bora namorar? Se você não quiser a gente pode continuar se pegando só que o careta do meu pai disse que a gente não pode transar aqui.”.

O menor riu.

-Nesse tom estúpido que você usou ele não vai querer namorar comigo e nem me pegar mais. E acredite em mim: eu adoro ficar pegando ele. Assim que ele voltar eu vou mandar a pergunta na cara dele.

-Se ele aceitar vocês podem dormir juntos, caso contrário ele vai pro quarto do Cody de novo.

-Para um pai do século XXI você fica bem ranzinza às vezes. Acho que sei de quem eu puxei isso! – comentou Derek, se levantando. – E eu vou levar isso – apontou para as camisinhas. – não pretendo usar tão cedo, mas é útil ter por perto.

-Sempre precavido! Esse é o meu garoto. Você vai na casa dele agora?

-Não, ele foi conversar com o pai dele. Dizer que nós somos um pseudocasal, ou coisa do tipo. E eu tenho que ir falar com o Cody antes, aparentemente meu irmão pode ter problemas de rejeição por eu estar de putaria com o amigo dele.

Carter riu, maravilhado com a estupidez de Derek para certos assuntos.

-Vai lá, e lembre-se de manter a cabeça aberta ok? – aconselhou, enquanto Derek saía do quarto. – E PEDE ELE EM NAMORO!

-POR QUE EU IRIA PEDIR MEU IRMÃO EM NAMORO! – respondeu Derek, já no corredor.

-NÃO O CODY, SEU IDIOTA! O AMIGO DELE, AQUELE QUE VOCÊ TAVA BEIJANDO. E SE VOCÊS FOREM TRANSAR ASSISTE UM PORNÔ ANTES! O JASON NÃO DEVE SER TÃO INOCENTE QUANTO VOCÊ!

-CALA A BOCA, CARTER!

.

.

.

Cody estava focado, afundado em livros no seu quarto. O garoto estava quase terminando um intricado problema de matemática quando ouviu uma batida na porta do quarto.

-Entra – chamou, de forma distraída. – Ah, ei Jimmy!

Derek percebeu que o irmão não o chamava com a mesma alegria de antes.

-Você realmente tá tristinho hein? – Derek se sentou do seu lado, em um espaço minúsculo na cama que não estava coberto de livros. – É domingo, por que você está estudando?

-SAT, preciso de uma nota extremamente alta pra entrar na Helcix. – Helcix era uma faculdade de alto prestígio, com cursos de medicina e química cortejados no país todo. E ainda por cima era em Saint Lucy, o que poupava Cody do trabalho de mudar de cidade. – E você? Por que não está dormindo?

-O Jason tá preocupado com você. Você ficou triste por eu e ele…? – Derek realmente precisava de uma palavra pra definir ele e Jason

-O que? Eu to super feliz por vocês dois!

-Então você só está preocupado com o seu futuro acadêmico?

-Claro!

Derek suspirou, nada convencido.

-Não me obrigue a chamar o papai pra ele te fazer cócegas. – de todas as torturas no mundo, as que os irmãos Tyer mais temiam era o ataque de cócegas do pai.

-Nem precisa, ele já sabe. – respondeu de cabeça baixa.

O menor arrancou o livro do colo do irmão com violência.

-O papai já sabia e eu não? Porra, vai tomar no cu os dois!

-Você tinha muitos problemas sobre garotos, não precisava ouvir os meus.

-Você… pera… nós estamos falando de problemas com garotos? – uma luz se acendeu na mente de Derek. – Uhh, nós estamos falando do Riley?

Cody abaixou a cabeça. Pegou um livro ali perto e tirou um pedaço de papel, que entregou para Derek.

-Baile de Natal da sua escola? – Derek quis rir e dizer que a escola de Cody era ridícula por fazer um Baile DEPOIS das férias começarem. – Você vai chamar ele pra ser seu par?

-Eu ia, o Baile é dia 23 e eu tenho que ir por ser do Conselho Estudantil. Como que eu chamo ele sem parecer que eu quero encontro?

Derek riu, lembrando a sua experiência com convites assim.

-Você em momento algum usa a palavra “encontro”. Acredite em mim, foi assim que o Jason melou as coisas com a gente. Por que você não chama a gente também? Vamos como um grupo de amigos. – “Um grupo onde eu beijo seu amigo, você tá afim do meu e os dois se detestam” pensou Derek.

-É uma ideia boa!

-Todas as minhas ideias são boas – rebateu, em falsa arrogância.

-Jimmy! – chamou Cody, depois de um tempo em silencio, avaliando a ideia de Derek.

-Que foi?

-Quando você soube? Que tava apaixonado pelo Jason?

Derek passou a mão pelo cabelo preto, tentando lembrar o momento exato em que se apaixonou pelo vizinho.

-Foi no verão desse ano. Ele tava aqui em casa, vocês dois estavam conversando de alguma coisa. Eu me lembro de estar no meu quarto, louco pra arrumar uma desculpa pra vir aqui, conversar com ele. Eu não entendi na hora, mas eu já tava perdidamente louco por ele! – disse. Derek podia fechar os olhos e se sentir naquele dia.

-E qual foi a sensação?

O irmão riu, a lembrança era emotiva demais.

-Eu me assustei, porque meu coração começou a bater rápido. E forte, eu sentia na minha boca, que tinha ficado completamente seca. Depois disso a perna começou a ficar trêmula, meus braços não me obedeciam. – Derek sorriu. – Você já sentiu algo parecido?

Cody nem precisou pensar muito.

-Uma vez! Eu tava no shopping com meu irmão mais novo e então o melhor amigo dele apareceu, lindo como um Thor Adolescente!

Comentários

Há 0 comentários.